quarta-feira, 28 de abril de 2010

 

LUCRO ACIMA DA VIDA!!!!!!


iG

  • Temas do momento:

Lucro da Shell tem alta de 57%

Preços mais altos da energia, desempenho operacional e da produção e a programas de crescimento puxaram alta, diz executivo-chefe

Valor Online 28/04/2010 08:53

  • A Royal Dutch Shell encerrou o primeiro trimestre de 2010 com lucro atribuível aos detentores de ações de US$ 5,481 bilhões, uma alta de 57% no comparativo com os US$ 3,488 bilhões somados entre janeiro e março do ano passado.

Excluídas as variações nos preços dos estoques da companhia, o lucro foi de US$ 4,897 bilhões, expansão de 49% no confronto com os US$ 3,297 bilhões do trimestre inicial de 2009.

A Shell vê sinais contraditórios no curto prazo, com preços do petróleo firmes e aumento na demanda por petroquímicos, mas a procura por produtos petrolíferos e os preços no mercado spot estão sob pressão."Apesar de sinais de uma perspectiva econômica melhor, não estamos confiando nisso", notou Voser.

    ciomara



segunda-feira, 19 de abril de 2010

 

Enc: [Caso Shell Paulínia]

ciomara
ciomara
----- Mensagem encaminhada ----
De: "imprensa@prt15.gov.br" <imprensa@prt15.gov.br>
Para: clipping@prt15.gov.br
Enviadas: Segunda-feira, 19 de Abril de 2010 16:58:45
Assunto: [CLIPPING] Clipping

Postado por ciomara no Caso Shell Paulínia em 4/19/2010 07:39:00 PM
Postado por ciomara no Caso Shell Paulínia em 4/19/2010 07:52:00 PM
Procuradoria Regional do Trabalho 15a Região

PRT15 Digital



Clipping


Mercado Ético - 19/04/2010 14:47
Justiça exige que Shell e Basf custeiem tratamento médico de ex-trabalhadores

Carbono Brasil - 19/04/2010 14:46
Justiça exige que Shell e Basf custeiem tratamento médico de ex-trabalhadores

Última Instância - 19/04/2010 14:41
Sindicalista é condenado a um ano de prisão por ofender procurador em rádio



Mercado Ético - 19/04/2010 14:47
Justiça exige que Shell e Basf custeiem tratamento médico de ex-trabalhadores

Justiça nega mandado e restabelece efeitos de liminar que garante acompanhamento médico de contaminados e seus familiares

O Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 15ª Região denegou o mandado de segurança impetrado pelas empresas Shell e Basf, responsável por suspender os efeitos de liminar concedida em favor dos ex-trabalhadores das multinacionais no início do ano passado. Com a decisão, volta a ser obrigatório o custeio, por parte das empresas, de despesas médicas para mais de 1 mil pessoas expostas a riscos de contaminação na unidade de fabricação de agrotóxicos, no bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia. A liminar se estende aos filhos de empregados, prestadores de serviços e trabalhadores autônomos que trabalharam no local.

Juntamente com a Basf, herdeira do passivo ambiental e trabalhista ao adquirir as operações da planta, a Shell tem o prazo de 30 dias para publicar um edital de convocação dos trabalhadores e descendentes abrangidos pela decisão na primeira página dos maiores jornais do país e nas três emissoras de TV de maior audiência.

A partir da publicação, os trabalhadores terão prazo de 90 dias para apresentarem documentos comprovando a condição de ex-empregados das empresas Shell, Cyanamid ou Basf, ou de terceirizados ou autônomos que trabalharam na unidade fabril de Paulínia.

Embora possam ser cadastrados trabalhadores de todo o país, o atendimento à saúde foi restringido às regiões de Campinas e São Paulo. A cobertura deve abranger consultas, exames e todo o tipo de tratamento médico, nutricional, psicológico, fisioterapêutico e terapêutico, além de internações.

O caso teve início no âmbito do Ministério Público do Trabalho (MPT) com a instauração de inquérito civil pela procuradora Márcia Cristina Kamei López Aliaga em 2001. O processo foi redistribuído em 2006 para a procuradora responsável pelo ajuizamento da Ação Civil Pública, Clarissa Ribeiro Schinestsck e, em 2007, voltou a ser conduzido pela procuradora Márcia Kamei.

Em janeiro de 2009, a juíza Maria Inês Corrêa de Cerqueira César Targa concedeu uma liminar exigindo o pagamento de convênio médico vitalício para os ex-trabalhadores e seus filhos, por haver provas de que a contaminação pode ter efeitos nocivos nas crianças nascidas após a exposição de seus pais aos contaminantes.

"No curso desses anos, todos nós, cidadãos, pagamos pelo tratamento que hoje é concedido tão-só pelo Sistema Único de Saúde (SUS) aos trabalhadores contaminados, com as limitações que lhe são inerentes, e que não lhe permitem a realização de exames e de tratamentos necessários à manutenção de um mínimo de bem-estar e dignidade. A conta é quitada pelos cofres públicos, por recursos de cidadãos que não usufruíram dos lucros exorbitantes gerados em favor das rés, durante décadas, inclusive com a fabricação desses produtos que já se sabia tóxicos", escreveu a juíza.

Imediatamente após a decisão, as empresas entraram com um mandado de segurança, cuja liminar suspendeu os efeitos da tutela antecipada decretada pela juíza. Com a recusa do MS, a decisão proferida no ano passado volta a ter validade, no entanto, contendo alterações feitas pelo colegiado de desembargadores.

Caso descumpra a decisão, as empresas deverão pagar multa diária de R$ 100 mil, reversível ao Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT). O MPT pede, ao final do processo, uma indenização de R$ 620 milhões por danos morais coletivos. De todos os trabalhadores que tentam provar que foram expostos a substâncias contaminantes, ao menos 100 possuem ações individuais em trâmite na Justiça.

HISTÓRICO - No final da década de 70 a Shell instalou uma indústria química nas adjacências do bairro Recanto dos Pássaros, em Paulínia. Em 1992, ao vender os seus ativos para a multinacional Cyanamid, começou a ser discutida a contaminação ambiental produzida pela empresa na localidade, até que, por exigência da empresa compradora, a Shell contratou consultoria ambiental internacional que apurou a existência de contaminação do solo e dos lençóis freáticos de sua planta em Paulínia.

A Shell foi obrigada a realizar uma auto-denúncia da situação à Curadoria do Meio Ambiente de Paulínia, da qual resultou um Termo de Ajustamento de Conduta. No documento a empresa reconhece a contaminação do solo e das águas subterrâneas por produtos denominados aldrin, endrin e dieldrin, compostos por substâncias altamente cancerígenas - ainda foram levantadas contaminações por cromo, vanádio, zinco e óleo mineral em quantidades significativas.

Após os resultados toxicológicos, a agência ambiental entendeu que a água das proximidades da indústria não poderia mais ser utilizada, o que levou a Shell a adquirir todas as plantações de legumes e verduras das chácaras do entorno e a passar a fornecer água potável para as populações vizinhas, que utilizavam poços artesianos contaminados.

Mesmo nas áreas residenciais no entorno da empresa foram verificadas concentrações de metais pesados e pesticidas clorados (DDT e drins) no solo e em amostras de água subterrâneas. Constatou-se que os "drins" causam hepatotoxicidade e anomalias no sistema nervoso central.

A Cyanamid foi adquirida pela Basf, que assumiu integralmente as atividades no complexo industrial de Paulínia e manteve a exposição dos trabalhadores aos riscos de contaminação até 2002, ano em que os auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) interditaram o local, de acordo com decisão tomada em audiência na sede do MPT. Apesar do recurso impetrado pela Basf, a interdição foi confirmada em decisão do Tribunal Regional do Trabalho (TRT) da 2ª Região, em São Paulo.

Em 2005, o Ministério da Saúde concluiu a avaliação das informações sobre a exposição aos trabalhadores das empresas Shell, Cyanamid e Basf a compostos químicos em Paulínia. O relatório final indicou o risco adicional ao desenvolvimento de diversos tipos de doença.

Desde 2007 o MPT tenta responsabilizar na Justiça as empresas pelo acompanhamento médico privado dos seus ex-empregados, com o objetivo de garantir os direitos dos trabalhadores e suas famílias, e de desonerar o Sistema Único de Saúde.




Carbono Brasil - 19/04/2010 14:46

Justiça nega mandado e restabelece efeitos de liminar que garante acompanhamento médico de contaminados e seus familiares


Este é um email au! tomático, por favor não o responda.
Todos os Direitos reservados para Procuradoria Regional do Trabalho 15a Região
https://www.prt15.gov.br/
______________________________________________________________ Instruções para "entrar" ou "sair" da lista: 1.- enviar um email para majordomo@prt15.gov.br 2.- deixar o campo assunto em branco 3.- digitar no corpo da mensagem: 3.1 - Para "entrar" na lista: subscribe clipping 3.2 - Para "sair" da lista unsubscribe clipping ______________________________________________________________


domingo, 18 de abril de 2010

 

QUEM U.S.A.???

...tenho muitas novidades, mas por enquanto é meio segredo

sexta-feira, 16 de abril de 2010

 

Enc: TÁ RECLAMANDO DE QUE??

ciomara
DESAFIO A TODOS A LER ATÉ O FINAL, PRA QUEM TEM CORAGEM É CLARO!!
E VERÁS QUE VOCE ACABA COMETENDO ALGUMA DESSAS BARBARIDADES.

Brasileiro reclama do que?

Tá reclamando do Wellington Salgado? do Sarney? do Collor? Do Renan? do Palocci? do Jucá? do sapo barbudo? do Kassab? do Serra? do Aécio? do Dunga? do Ricardo Teixeira? da TV Globo?


O brasileiro é assim:

1. - Saqueia cargas de veículos acidentados nas estradas.

2. - Estaciona nas calçadas, muitas vezes debaixo de placas proibitivas.

3. - Suborna ou tenta subornar quando é pego cometendo infração.

4. - Leva das empresas onde trabalha, pequenos objetos como clipes, envelopes, canetas, lápis, papel higiênico.... como se isso não fosse roubo.


5. - Fala no celular enquanto dirige.

6. -Trafega pela direita nos acostamentos num congestionamento.

7. - Pára em filas duplas, triplas em frente às escolas.

8. - Viola a lei do silêncio.

9. - Dirige após consumir bebida alcoólica.

10. - Fura filas nos bancos, utilizando-se das mais esfarrapadas desculpas.

11. - Espalha mesas, churrasqueira nas calçadas.

12. - Pega atestados médicos sem estar doente, só para faltar ao trabalho.

13. - Faz gato de luz, de água e de tv a cabo.

14. - Registra imóveis no cartório num valor abaixo do comprado, muitas vezes irrisórios, só para pagar menos impostos.

15. - Compra recibo para abater na declaração do imposto de renda para pagar menos imposto.

16. - Muda a cor da pele para ingressar na universidade através do sistema de cotas.

17. - Quando viaja a serviço pela empresa, se o almoço custou 10 pede nota fiscal de 20.

18. - Comercializa objetos doados nessas campanhas de catástrofes.

19. - Estaciona em vagas exclusivas para deficientes.

20. - Adultera o velocímetro do carro para vendê-lo como se fosse pouco rodado.

21. - Compra produtos pirata com a plena consciência de que são pirata.

22. - Substitui o catalisador do carro por um que só tem a casca.

23. - Diminui a idade do filho para que este passe por baixo da roleta do ônibus, sem pagar passagem.

24. - Emplaca o carro fora do seu domicílio para pagar menos IPVA.

25. - Freqüenta os caça-níqueis e faz uma fezinha no jogo de bicho.

26. - Troca voto por qualquer coisa: areia, cimento, tijolo, dentadura.

27. - Comercializa os vales-transporte e vales-refeição que
recebe das empresas onde trabalha.

28. - Falsifica tudo, tudo mesmo... só não falsifica aquilo que ainda não foi inventado.

29. - Quando volta do exterior, nunca diz a verdade quando o fiscal aduaneiro pergunta o que traz na bagagem.

30. - Quando encontra algum objeto perdido, na maioria das vezes não devolve.

E quer que os políticos sejam honestos...

Escandaliza-se com a farra das passagens aéreas...

Esses políticos que aí estão saíram do meio desse mesmo povo ou não?

Brasileiro reclama de quê, afinal?

E é a mais pura verdade, isso que é o pior! Então sugiro adotarmos uma mudança de comportamento, começando por nós mesmos, onde for necessário!

Vamos dar o bom exemplo!

Espalhe essa idéia!



"Fala-se tanto da necessidade deixar um planeta melhor para os nossos filhos e esquece-se da urgência de deixarmos filhos melhores (educados, honestos, dignos, éticos, responsáveis) para o nosso planeta, através dos nossos



quinta-feira, 8 de abril de 2010

 

REPORTER RECORD.

EXCLUSIVO: Repórter Record investiga casos de contaminação ambiental em três regiões do Brasil

Na noite da próxima segunda-feira, dia 22/03, às 23h, o programa jornalístico da Record especializado em matérias investigativas apresenta famílias marcadas por doenças terríveis e brasileiros sob a constante ameaça de um inimigo silencioso. A atração mostra histórias de perdas e privações, num relato emocionante de quem vive em áreas de risco.

Ao longo dos cinco últimos meses, uma equipe de 14 profissionais do Repórter Record levantou casos assustadores de contaminação ambiental em três regiões do Brasil.

O jornalístico revela como é viver por sete anos num quarto de hotel. Essa é a rotina de uma das mais antigas moradoras do Recanto dos Pássaros, em Paulínia, interior de São Paulo. A chácara onde ela criava bichos e cultivava plantas está fechada por causa da contaminação provocada por uma multinacional.

O Repórter Record encontrou ex-funcionários desta mesma empresa que brigam para conseguir um plano de saúde vitalício. Alguns desenvolveram doenças que contraíram no trabalho. Outros se perguntam: será que eu serei a próxima vítima?

Na cidade que já foi conhecida como Vale da Morte, comunidades inteiras não veem a hora de mudar de endereço. O risco de intoxicação ainda hoje ronda a região. Um flagrante: sem fiscalização, crianças não encontram dificuldade para entrar numa área restrita e nadar livremente num rio contaminado.

Amianto: uma ameaça silenciosa sobre a cabeça de milhões de brasileiros. A matéria-prima das telhas que cobrem metade das casas do país representa um risco enorme. Os repórteres do jornalístico da Record revelam que moradores pouco sabem sobre o perigo que está no teto e nas caixas d'água e como agem fiscais que combatem o comércio ilegal do produto.

Apresentado por Marcos Hummel, o Repórter Record vai ao ar na próxima segunda-feira, às 23h.

 
ciomara


Veja quais são os assuntos do momento no Yahoo! + Buscados: Top 10 - Celebridades - Música - Esportes

 
CASO SHELL
08/04/2010
 
TRT mantém ajuda médica a ex-funcionários
Decisão é extensiva a filhos de ex-trabalhadores, mas limita tratamento à RMC, Capital e Grande SP
 
Paulo Reda - Campinas

Arquivo/TodoDia Imagem

TRT de Campinas: audiência realizada ontem manteve tratamento a ex-trabalhadores da Shell e Basf
O TRT 15 (Tribunal Regional do Trabalho da 15ª Região) rejeitou mandado de segurança apresentado pelas empresas Shell e Basf para suspender o custeio do atendimento médico prestado às pessoas que foram contaminadas por substâncias químicas em uma área que foi de propriedade destas empresas no bairro do Recanto dos Pássaros, em Paulínia. A decisão é extensiva aos filhos dos trabalhadores da Shell e da Basf no Recanto dos Pássaros.

Em fevereiro, a Justiça do Trabalho havia concedido liminar ao mesmo mandado de segurança que desobrigava as empresas de oferecer atendimento médico a essas pessoas. De acordo com levantamento feito pelo Sindicato dos Químicos Unificados, a decisão tomada ontem pelos desembargadores do TRT 15 irá beneficiar cerca de mil pessoas.

O TRT determinou que a Shell e a Basf terão prazo de 30 dias para convocar os trabalhadores da unidade do Recanto dos Pássaros e seus descendentes diretos, por meio de edital publicado em jornais, emissoras de rádio e emissoras de televisão de âmbito nacional.

Os desembargadores determinaram, contudo, que apesar de a medida ser extensiva a pessoas contaminadas por substâncias químicas no Recanto dos Pássaros que vivam em qualquer lugar do País, o atendimento médico será prestado exclusivamente em unidades localizadas nas cidades da RMC (Região Metropolitana de Campinas), da Capital e da Grande São Paulo. A cobertura oferecida aos beneficiários deverá incluir consultas, exames e qualquer tipo de tratamento médico, nutricional, psicológico, fisioterapêutico e internações.

Em caso de descumprimento, as empresas deverão pagar multa diária de R$ 100 mil. A solicitação para que a Shell e a Basf custeassem o tratamento médico das pessoas contaminadas no Recanto dos Pássaros foi feita por meio de um inquérito civil movido pelo MPT (Ministério Público do Trabalho).

A Shell informou que "a existência de contaminação ambiental não implica necessariamente em exposição à saúde das pessoas, o que vem sendo comprovado por todos os estudos, análises e perícias realizadas ao longo dos últimos seis anos na região". "A empresa (Shell) respeita a decisão da Justiça, irá cumpri-la, porém continuará promovendo a defesa dos seus direitos no Judiciário." A Basf não se manifestou.



 
ciomara

 

terça-feira, 6 de abril de 2010

 

TOMARA QUE, DESSA VEZ, DÊ CERTO.....

Como vocês poderão ler abaixo, foi marcada mais uma audiência de conciliação!!!!
"desejo este manifestado pessoalmente por seu patrono"
Patrono da Shell!!!
...pois esse processo é da Shell contra mim, aquele que quer me obrigar vender a propriedade pelo preço que eles estipularam, pelo valor que eles impuzeram numa coisa que nunca esteve a venda!!!
...creio e espero que dessa vez a gente consiga entrar num acordo.
...fico sonhando com uma vida fora desse hotel, fazendo planos e confesso que imagino que eles vão me deixar voltar pra lá!!!
...mas acho que isso é impossível, não posso eu ficar me iludindo, sonhando com isso e com outras tantas coisas, pois quando mais alto o sonho, maior é o tombo.
...sabe que de tanto levar bordoada, de tanto ser humilhada e usurpada nos meus mais profundos sentimentos e direitos, de tanto medo de ter mais e novas decepções eu tenho pavor até de sonhar!!!
sonhar com a vida
sonhar com a felicidade,
sonhar com a privacidade,
sonhar com a liberdade,
sonhar...
...mas uma coisa eu digo:-
SOU TEIMOSA...
E NÃO VOU DESISTIR DE NADA.
...NEM QUE EU TENHA QUE MORRER LUTANDO.
Leiam abaixo a "convocação".




video

This page is powered by Blogger. Isn't yours?